sexta-feira, 29 de abril de 2011

                            Deuteronômio 9:6 a29


     Através da narrativa encontrada neste texto, percebemos mais uma vez, como Deus queria que o povo fosse colocado no seu devido lugar. A posse da terra estava prestes a ocorrer. Um tempo de bons ventos estava para vir, e certamente com isso, o povo se sentiria especial, bom demais, merecedor de tais bênçãos. Um remédio eficaz contra esta presunção, foi, através da narrativa de Moisés das coisas já passadas, lembrar a eles exatamente quem eles eram e tudo quanto já haviam feito de errado, mesmo sendo povo de Deus e já tendo visto tantos milagres na saída do Egito!
     Quantas vezes não agimos como eles...nos esquecemos que, mesmo depois de termos nossos olhos abertos para o Evangelho, depois de sabermos da exigência de santidade que Deus faz a nós, depois de termos consciência de que isto ou aquilo é pecado diante de Deus, cometemos tal pecado. Não pecamos por ignorância ou por falta de aconselhamento ou direção, mas pecamos porque queremos, porque nos é conveniente... e quantas vezes fazemos isto! Neste trecho, Moisés cita apenas alguns eventos, mas não cita todos! Ele deixou de fora, por exemplo aquele episódio da revolta de Corá, aquele outro da sedução dos Midianitas, onde o povo caiu como 'patinhos'...que vergonha para nós, quando mesmo presenciando a poderosa mão de Deus em nossa vida, mesmo tendo instrução, mesmo sabendo por onde devemos seguir, ainda assim, fazemos algo que desonra a Deus.
     Que eu e você, antes de pensarmos em nos orgulhar de algum feito de santidade da nossa parte, nos lembremos também de quantas vezes temos falhado e errado o alvo! Não deixemos nunca que a arrogância tome conta de nós, pois por merecimento, deveríamos ser consumidos pelo 'menor' pecado que fosse. Não podemos confiar na nossa justiça passada, para cometermos pecado. Lembram do texto do atalaia que lemos na Igreja estes dias? "A justiça do justo não o livrará no dia da sua transgressão; quanto à perversidade do perverso, não cairá por ela, no dia em que se converter da sua perversidade; nem o justo  pela justiça poderá viver no dia em que pecar. Quando eu disser ao justo que, certamente,viverá, e ele, confiando na sua justiça, praticar iniquidade, não me virão à memória todas as suas justiças, mas nas suas iniquidades, que pratica, ele morrerá. Quando eu também disser ao perverso: certamente, morrerás; se ele se converter do seu pecado, e fizer juízo e justiça, e restituir esse perverso o penhor, e pagar o furtado, e andar nos estatutos da vida, e não praticar a iniquidade, certamente, viverá; não morrerá. De todos os seus pecados que cometeu não se fará memória contra ele;  juízo e justiça fez; certamente, viverá." Ezequiel 33:12 a 16. Não podemos viver nos gloriando de nossa justiça passada. Devemos sim, nos lembrar de nossas falhas passadas e temer, pedir santidade ao Senhor para que continuemos a andar em sua pisadas, pois se confiarmos em nós mesmos, acabaremos nos afundando em nosso orgulho e praticando iniquidade. Longe de nós toda a soberba, à Ele toda a glória!!

5 comentários:

  1. Somos filhos de Deus.Temos deveres a serem cumpridos,diante de Deus.Temos direitos!?Somente pela terna e abundante misericórdia de Deus,que nos dá a vida eterna,mas uma coisa é garantida: Vivendo uma vida de rebeldia,diante de Deus,não acho que,nesse momento,temos a convicção de algo que seria "direito" (mal comparando)dos filhos de Deus - "direitos" que vem pela mão bondosa e misericordiosa de Deus.Devemos nos policiar,procurar e desejar andar segundo as leis Divinas, e ter em consciência a importância que é valorizarmos suas leis ao ponto de ver que "aquilo" é pecados e nos desviarmos disso,pois sabemos que é errado aos olhos de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Muitas vezes caímos no erro de pecar sabendo que estamos pecando, porque queremos. Não devemos nos orgulhar de nada, nem da nossa santidade. Antes, devemos nos lembrar o quanto somos pecadores e lembrar também da nossa infinita dependência de Deus. Sem ele, jamais poderemos ser santos, como ele é. Devemos estar com os nossos corações e as nossas mentes sempre voltadas para ele, a fim de que sempre que pensarmos em pecar, lembre-mos do Deus a quem servimos.

    ResponderExcluir
  3. essa luta pela santidade sempre estará presente em nós e só conseguiremos caminhar sem nos desviarmos com muita oracao e perseverança no Senhor. e , é claro, a Sua misericordia!

    ResponderExcluir
  4. Achei esse texto muito esclarecedor.

    Sempre devemos ter em mente que , primeiramente ,não devemos confiar na nossa justiça passada,para cometermos pecado.

    Mesmo depois de termos consciência de que isto ou aquilo é pecado ,ainda assim, cometemos tal pecado.

    E , também temos que reconhecer que só temos "direitos" por que Deus tem misericórdia de nós!

    ResponderExcluir
  5. Gabriel Benjamin4 de maio de 2011 14:46

    Essa parte que fala que pecamos sabendo do que estamos fazendo deve ser tratada em nossos corações fortemente, porque desde pequeno o homem transgride regras que sabe que deve seguir, isso mostra a rebeldia no coração do homem e de como somos maus e que devemos estar constantemente atentos a não cair e pecar contra DEUS.

    ResponderExcluir