terça-feira, 13 de março de 2012

                         Rute 3 e 4


     Poderíamos resumir a história de Rute e Noemi, como a concretização de mais uma etapa dos planos de Deus para preservar a linhagem de onde descenderia o Messias, o Salvador de seu povo. À primeira vista, talvez não parecesse que estivesse acontecendo algo tão fundamental na história do povo de Deus, só mais tarde se comprovaria a real importância dos acontecimentos. O último versículo nos deixa à par do grande passo dado na história para a continuação da genealogia que traria ao mundo o Messias: "...Boaz gerou a Obede, Obede gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi."
     O capítulo 3 começa expressando a preocupação de Noemi em que a nora ficasse sem a proteção de um marido e de uma família, o que era um terrível destino no antigo oriente. Ao mesmo tempo, a presteza de Rute em atender ao pedido da sogra, demonstra muito mais fidelidade de Rute para com Noemi do que podemos imaginar. Como mulher jovem e viúva que era, poderia facilmente encontrar um noivo jovem como ela e rico. Foi que o próprio Boaz reconheceu no verso 10: "Bendita sejas tu do Senhor, minha filha; melhor fizeste a tua última benevolência que a primeira, pois não foste após jovens, quer pobres, quer ricos." Rute estava preocupada em suscitar descendência à Noemi. Lembram da lei do levirato? Quando uma mulher ficasse viúva, sem dar filhos ao morto, era procurado o parente mais próximo ,geralmente o irmão, para casar-se com a viúva e o primeiro filho deles era tido como sendo filho do que morrera, para não deixar seu nome desaparecer. Rute poderia ter seguido a inclinação natural e procurar um jovem da sua idade, "...mas demonstrou uma atitude responsável para com a família, ao procurar o resgatador para ser seu marido...ela preferiu aderir às conexões de família, demonstrando, assim, respeito por aquilo que é direito. Ela não permitiu que suas inclinações pessoais a governassem."  (Artur E. Cundall e Leon Morris). Devemos ressaltar que Boaz era, pela linguagem usada em todo o livro, referindo-se sempre à Rute como 'minha filha', um homem bem mais velho que ela.
     O plano de Noemi tinha seus riscos, já que a eira era um lugar muito frequentado durante as colheitas por homens felizes e bêbados! Era reconhecidamente um lugar onde se cometia imoralidades. Noemi confiava no caráter e na honradez de Boaz. Sabia que ele jamais molestaria sua nora, por isso seguiu com seu plano. Rute deveria se aproximar de Boaz, que já estava deitado, cansado da colheita e de comer e beber. Este estava dormindo. Rute chegou e descobriu seus pés, numa tentativa de acordá-lo, ao seu tempo, quando os pés estivessem frios. Ela se deitou aos seus pés para esperar o momento em que ele acordasse. Nada de impróprio aconteceu entre eles. Boaz então, acorda e se assusta, perguntando quem era aquela mulher deitada aos seus pés. Rute, então, pede que Boaz estenda sua capa sobre ela. Com esta declaração, ela está literalmente pedindo para que ele a resgate, para que se case com ela.
     Quando Boaz diz que ele é resgatador, mas que existe um que é mais resgatador do que ele, demonstra ser homem justo, preocupado em seguir o que era correto. Mesmo achando Rute uma mulher virtuosa e tendo sido tão generoso com ela por várias vezes, Boaz pede que ela espere, pois tentará resolver o empecilho que se impôs. Havia um parente mais chegado a Noemi do que o próprio Boaz, e o direito de resgatar as terras e a viúva da família de Elimeleque era dele. Boaz então, se dirige à porta da cidade, onde era costume os homens se reunirem para transações jurídicas e comerciais e como o resgatador por ali passava, Boaz expôs-lhe a situação. Ele fez questão de deixar bem claro, diante de todas as testemunhas, que não usou de artimanhas para ficar com Rute. Deixou toda a situação bem clara ao outro resgatador, para que se este se recusasse, a situação de Boaz ficasse clara e definida. E assim, por providência de Deus, aconteceu. Aquele homem até se interessou pelas terras, mas quando foi informado que precisaria resgatar também a viúva para suscitar descendência, negou-se e pediu que Boaz o fizesse em seu lugar (E Boaz nem queria, né??!!!!).
     Então o casamento se consumou, e Rute engravidou. Interessante que o texto deixa claro que a gravidez daquela mulher não era um fato 'esperado e certo', como se devesse acontecer naturalmente. O texto diz que "o Senhor lhe concedeu que concebesse", o que nos mostra claramente, que mesmo sendo um processo natural de coabitação e concepção, tanto com Rute, quanto com qualquer outra mulher, quem concede a bênção e o privilégio de conceber é o Senhor. Ele não está de fora do processo. E nem poderia estar, já que a Bíblia nos diz que Ele nos amou e nos elegeu desde antes da fundação do muno, nada mais certo do que Ele mesmo, no tempo oportuno, no dia adequado, e não ao acaso, conceder que uma mulher conceba aquela vida que ele já conhece pelo nome desde antes da criação! É como o Salmo 139 magnificamente afirma: "os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nenhum deles havia ainda (versos 15 e 16).Que maravilhosas verdades. Deus não é o Deus distante e observador, como prega a teologia relacional. Ele é o Senhor da história, e está presente e ativo em cada ato da história da humanidade, inclusive na concepção!
concretização daquilo que Ele planejou. Por isso, nossa vida deve ser uma jornada de , crendo à cada passo, que estamos caminhando rumo à concretização dos planos de Deus, mesmo que não saibamos quais são e morramos sem identificá-los. Isto se chama FÉ, confiança irrestrita naquele que tem o domínio sobre todas  as coisas, escreve a história com suas próprias mãos e tem planos de salvação e vida eterna para seu amado povo!

5 comentários:

  1. nara silma ramos fonseca13 de março de 2012 13:42

    Mas uma vez, o final dessa história demonstra que Deus está a frente de tudo..e que só precisamos descansar e confiar..que ele sabe e controla tudo o que acontece na nossa vida!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vinda, nara querida! Esta é a certeza que nos conduz em paz nesta vida de tantas provações!! Beijos pra ti!

      Excluir
  2. Muito legal a história de Rute!! E que sirva de lição para nós.Depois de tanto sofrimento e até quase que metade de sua vida longe de Deus,depois que veio a conhecê-lo, viveu sua vida de crente: Teve aflições,angústias,mas se manteve fiel à Ele, e não só foi abençoada,'ganhando' um marido,mas recebeu o maior prêmio que um ser humano pode receber: a salvação.

    ResponderExcluir
  3. Tudo acontece de acordo com os planos de Deus, ainda mais para os seus filhos, esse texto é um exemplo, primeiro vemos coisas ruins acontecendo na vida daquelas mulheres e agora vemos coisas boas, o que acontece é que nosso pequeno coração pecador não consegue ver nas coisas o propósito de Deus, mas tudo ja está pré-determinado e tudo ocorre para o bem daqueles que amam a Deus. E no texto Rute depois de fazer o bem para com sua sogra, agora recebe uma benção de Deus, um marido justo e um filho e tudo isso para que se concretizasse a descendência de Cristo.

    ResponderExcluir
  4. Terminamos aqui mais um livro! Nesses capítulos, entre outras coisas, podemos observar que Deus jamais está distante dos fatos que ocorrem, Ele está sempre presente, cumprindo os seus planos e propósitos... inclusive na concepção! Que tenhamos fé e caminhemos sempre em santidade, buscando cada vez mais ao Senhor, jamais nos esquecendo que Ele é aquele que sabe de todas as cosas e que já preordenou, desde a fundação do mundo, tudo o que acontece e que virá acontecer.

    ResponderExcluir