quarta-feira, 18 de abril de 2012

                             I Samuel 4


     O povo sai à peleja contra os filisteus por ordem do Senhor, e não compreendem o fato de terem perdido a batalha, morrendo naquele dia quatro mil homens. Eles esperavam que, se Deus os havia mandado para lá, certamente a vitória os acompanharia. Não passou pela cabeça deles que talvez o Senhor os quisesse naquela batalha para lhes ensinar algo, ou para discipliná-los. Quantas vezes o mesmo acontece conosco...achamos que se o Senhor é quem está dirigindo os nossos passos, se Ele é Senhor sobre tudo, vai dar tudo certo, de acordo com as minhas próprias expectativas! Nos esquecemos, como os hebreus esqueceram neste episódio, que nós não conhecemos os planos e os propósitos do Deus soberano.
     Eles não entenderam e foram questionar os anciãos sobre a derrota. Mas também não quiseram, nem o povo, nem os anciãos, aguardar uma resposta do Senhor. Mandaram trazer a arca. Pensavam na arca como um amuleto da sorte, algo mágico que traria a presença do Senhor para o meio do exército e, certamente, a vitória. Eles não consideraram que "a salvação depende da livre iniciativa de Deus e da sua graça soberana, e não das técnicas ou planos humanos" (Bíblia de Genebra). Na verdade eles queriam os benefícios que o Senhor poderia lhes dar, não queriam receber suas orientações e obedecer suas ordens!
     A 'emenda saiu pior que o soneto'... Além de sofrerem uma vergonhosa derrota que desbaratou o exército de Israel e matou trinta mil homens, a arca do senhor, que guardava as tábuas da lei, e era o símbolo da presença de Deus no meio do seu povo, foi tomada e levada pelos filisteus! Que grande tragédia se abateu sobre o povo de Deus! Os sacerdotes foram mortos, como já havia sido profetizado. Eli, ao saber das terríveis notícias também morreu. Sua nora que estava grávida não aguentou a dureza da situação e, ao dar à luz, expirou. Mas antes de morrer, resumindo a dimensão daquela catástrofe, dá a seu filho o nome de Icabô, ou Icabode: 'foi-se a glória de Israel', numa clara referência à araca da aliança que fora tomada. 
     

4 comentários:

  1. Vemos aqui mais um texto que toca em um assunto que estamos vendo recorrentemente. Precisamos confiar em Deus e na sua providência, sabendo que nem sempre a Sua resposta vai ser a que nós esperamos. Que Deus nos capacite cada vez mais a andar retamente em todos os dias e, principalmente, quando somos atribulados.

    ResponderExcluir
  2. A gente precisa ter consciência de que não é porque estamos andando nos caminhos do Senhor que nossos planos não serão frustrados. Devemos sim obedecê-lo em tudo, mas isso não é e nem deve ser para nós uma moeda de troca para que Deus faça com que nossos planos se cumpram.
    E é nessas horas que a nossa fé é testada, quando andando de acordo com a palavra de Deus, nós sofremos em alguma área da nossa vida, ou nossos planos "não dão certo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Lucas! Esta é a ideia do texto!

      Excluir
  3. O povo achava que só porque era povo de Deus, não podia perder a guerra, e conosco não é diferente, muitas vezes nao entendemos ou na queremos entender porque perdemos algumas batalhas e murmuramos, mas devemos saber que passaremos por aflições neste mundo.

    ResponderExcluir