quarta-feira, 19 de setembro de 2012

                                      I Samuel 13

     O que vemos neste capítulo, é um retrato do Saul que governaria Israel: mais interessado nos resultados do que no mandamento que do Senhor. Após a crise gerada por Jônatas atacando os filisteus, o povo estava acuado, disperso em cavernas, túmulos, cisternas. Saul deveria, antes de começar a batalha contra os filisteus, esperar a chegada do profeta Samuel, que ofereceria holocaustos, para então, obtendo a bênção do Senhor, partirem para a ação. Esta atitude sempre demonstrou a dependência que o povo tinha de seu Senhor. Saul, entretanto, estava ansioso, vendo que Samuel demorava, e que já se ia vencendo o prazo de sete dias em que Samuel deveria chegar em tempo de crise. Saul estava sendo testado, e foi desastrosamente reprovado em seu primeiro teste! Saul achou que poderia resolver este 'pequeno impasse' da falta de profeta por si só. Ele não se contentou com o papel que Deus lhe reservara de rei de Israel. Ele se colocou no lugar de profeta também.
     Sua desculpa, quando Samuel chegou, poderia até ludibriar os mais desavisados: "Vendo que o povo se ia espalhando daqui, e que tu não vinhas nos dias aprazados...e, forçado pelas circunstâncias, ofereci holocausto." (versos11 e 12). Mas a resposta de Samuel foi contundente: "Procedeste nesciamente é uma condenação mais pesada do que poderíamos supor, poia nas Escrituras o tolo é moral e espiritualmente culpável, não apenas alguém desprovido de inteligência. Saul vira o Senhor sair em sua defesa na guerra amonita; ouvira, por meio de Samuel, a palavra divina de segurança (I Samuel 12.14), mas no primeiro momento de tensão deixou de ser obediente ao Senhor seu Deus. A penalidade é severa: Não subsistirá o teu reino; ou seja, Saul não dará origem a uma dinastia." (Joyce G. Baldwin).
     Não pude deixar de me lembrar das pregações que temos ouvido! Na 1ª epístola de Pedro, ele escreve a uma igreja que está sendo perseguida, que passa por momentos de medo, pavor de morte e tentações das mais diversas. E qual é a preocupação de Pedro? Adverti-los a uma vida diária de obediência ao Senhor! As circunstâncias árduas que nos cercam, não nos dão o aval de Deus para descumprirmos sua Lei e fazermos conforme a 'necessidade do momento'. Deus exige de nós obediência irrestrita às suas ordens, mesmo quando tudo parece estar perdido, e a melhor opção, reluzente como o ouro, é fazermos as coisas do nosso próprio modo, rejeitando o mandamento de Deus. Quer ver alguns exemplos práticos?
           "Ainda não me casei, estou chegando numa idade limite, se não me casar com este rapaz que não teme ao Senhor, poderei ficar sozinha."
           "Não temos tido muitos homens na Igreja, então somos forçados a colocar mulheres na liderança."
           "Meus pais estão passando limite! Eles não têm razão na maioria das coisas que falam, é melhor tomar minhas próprias decisões."
           "Meu casamento está azedando. Não sou feliz e não faço minha família feliz. Este é um momento de crise, acho melhor me divorciar para evitar maiores desgastes."
           "Meu marido não tem tomado a frente nas decisões do meu lar. Não posso deixar o barco sem rumo, vou assumir, já que ele não o faz."
           "O culto como prescrito na Bíblia é a forma certa de cultuar a Deus, mas a igreja tem estado meio vazia. Precisamos de resultado, somos 'forçados pelas circunstâncias' a inventar novas fórmulas que chamem a atenção para que mais pessoas se convertam".
      Viram só? As intenções, como as de Saul, são sempre ótimas...O problema é que o  que Deus exige de nós, é OBEDIÊNCIA irrestrita à sua Palavra, sem nos preocuparmos com o que virá depois. Assim foi com os amigos de Daniel. Decidiram firmemente que não se curvariam e adorariam aos deuses de Nabucodonosor. Sabiam o que esperava por eles: A fornalha de fogo ardente! Não obstante, a resposta obediente daqueles homens ecoa em nossos ouvidos até hoje: "Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. SE NÃO, FICA SABENDO, Ó REI, QUE NÃO SERVIREMOS A TEUS dEUSES, NEM ADORAREMOS A IMAGEM DE OURO QUE LEVANTASTE." (Daniel 3.17,18). O momento de crise, de risco, de dor, de morte iminente não foram suficientes para fazer com que estes três homens desobedecessem a Deus! Não há, portanto, situações limite, ou perigo capaz de nos fazer desculpáveis diante de Deus quando pecamos.
     É isso que temos aprendido todo domingo à noite com a exposição de I Pedro: não importa as circunstâncias que se apresentem. No meio do fogo, da perseguição, da doença, da morte iminente, da tristeza, da dor somos chamados a OBEDECER em tudo a nosso Senhor! Não há desculpas para fazermos o que achamos melhor. Somos chamados a mostrar nossa fé e nossa obediência justamente nos momentos mais dolorosos e críticos de nossa vida. Foi isso que Saul não entendeu. Foi no momento de aperto que Saul mostrou que sua segurança não estava em Deus, mas nele mesmo. Foi no momento de crise que Saul escolheu fazer sua própria vontade em detrimento à ordem de Deus!

5 comentários:

  1. E é justamente NESSES momentos de perigo em que mostramos o quão comprometidos somos com a Palavra de Deus! A obediência é muito fácil quando nos agrada, mas quando pode nos trazer riscos ou qualquer tipo de prejuízo, aí sim é que mostramos ser filhos do Deus Altíssimo!
    Que Deus nos capacite constantemente, a fim de provarmos ao mundo que a obediência a Deus é mais importante para nós do que a aprovação dos homens

    ResponderExcluir
  2. Esse texto mostra aquilo em que a nossa vida deve estar centrada: a obediência. Não temos "licença" pra pecar em nenhum momento e em nenhuma circunstância. Esse é um ensinamento que deveria estar em nossas mentes diariamente. Com isso em mente, veríamos que a nossa própria justiça e os nossos pensamentos, por mais bem intencionados que sejam, quando não estão pautados na verdade da palavra, não tem importância alguma!

    ResponderExcluir
  3. oi desculpe cair de paraquedas no seu texto, vi um cometário seu em um texto de 2009 eu acho, que falava sobre trabalho e filhos, gostaria muito de poder falar com vc sobre isso, pois estou passando por essa situação. tem algum email ou face?
    obrigado, Bárbara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara! Me desculpe a demora em respondê-la. Minha vida anda muito agitada e sequer tenho aberto o blog. Só hoje vi seu comentário, me perdoe! Me escreve no orebesimone@hotmail.com, daí a gente conversa mais à vontade! Um beijo!

      Excluir
  4. Muito bom. Recomendo a leitura.

    ResponderExcluir