terça-feira, 5 de julho de 2011

                          Deuteronômio 29:16 a 29


     No verso 12, Moisés convoca o povo a entrar em aliança com Deus, ele está propondo uma renovação da aliança do Sinai. A aliança era a mesma, mas o povo já era outro. Todo o povo que assistiu os grandes acontecimentos do Sinai, já havia morrido. Os que estavam vivos agora, embora talvez tivessem assistido, não tomaram parte. Agora era hora deles mesmos firmarem a aliança que seus pais fizeram. Como nós, quando somos criados no Evangelho, conhecemos as verdades e em algum momento, tocados pelo Santo Espírito de Deus, reafirmamos diante de todo o povo de Deus, a aliança que um dia nossos pais fizeram por nós no batismo. Neste solene momento, nós reafirmamos que, sim, também cremos como nossos pais e também queremos viver o Evangelho e assumir as responsabilidades que ele nos impõe!
     A partir do verso 16, Moisés adverte-os, que embora eles tivessem passado pelo meio de vários povos pagãos, convivido com eles, visto sua idolatria e suas abominações, eles não poderiam se contaminar. Eles não deveriam abandonar o Senhor e se curvar as deuses desses povos. No verso 19, porém, ele descreve uma situação que é a mais terrível de todas: Alguém que ouviu toda a descrição da Lei, suas bênçãos e suas maldições, mas resolveu se fazer de desentendido!  Resolveu achar que não era bem assim. Que poderia enganar o próprio coração, e que assim estaria enganando a Deus também. Alguém que por não achar que estivesse pecando, convencesse o seu próprio coração de que as coisas de fato, não eram bem assim, como descritas na Lei! Tamanha loucura! "...ninguém que, ouvindo as palavras desta maldição, se abençoe no seu íntimo, dizendo: Terei paz, ainda que ande na perversidade do meu coração, para acrescentar a sede à bebedice. O Senhor não lhe quererá perdoar; antes, fumegará a ira do Senhor e o seu zelo sobre tal homem, e toda a maldição descrita neste livro jazerá sobre ele; o Senhor lhe apagará o nome de debaixo do céu..."
     O texto continua com uma série de terríveis consequencias que se seguiriam, e no verso 24, diz que as outras nações perguntariam porque o Senhor fizera assim com aquela terra, e qual seria a causa do furor de tamanha ira. A resposta seria uma só: eles desprezaram a aliança que foi feita com seus pais e serviram a outros deuses. Eles conheciam a aliança, conheciam as Leis, a bênção e a maldição decorrentes da lei, mas não temeram. Fizeram de conta que não era com eles. Mentiram a seus próprios corações, convencendo-se que poderiam viver da maneira que quisessem, se abençoando, como se não houvesse um Deus para julgar tal decisão! "Terei paz, ainda que na perversidade do meu coração"! Esta pequena frase já demonstra que eles adoravam outro deus, que o que o Senhor dizia, não valia nada para eles. Eles inventaram a sua própria religião, se abençoaram e proferiram a bênção sobre si mesmos, por andar nos caminhos que eles mesmos instituíram. Se sentiam deuses! E o mais terrível de tudo é que muito provavelmente seus corações corruptos realmente acreditaram que eles estavam em paz! Que terrível loucura abandonar a Lei de Deus para seguir nossos próprios pensamentos e filosofias, dar um jeitinho na Lei de Deus para adaptá-la ao nosso interesse e achar que sairemos impunes!
      O verso 29 termina o capítulo, com uma preocupação de Moisés. Quando ele diz que as coisas encobertas pertencem ao Senhor, provavelmente ele se refere ao futuro incerto de Israel. Sugere que Moisés tenha se lembrado de como o povo se desviou do Senhor em Horebe, servindo àquele bezerro de ouro, de como era inconstante o coração do povo. "Nessa incerteza, Moisés entregou o futuro incerto nas mãos de seu Deus fidedigno." (Bíblia de Genebra). Esta parte se referia às coisas encobertas, que pertenciam ao Senhor. As reveladas, as que estão acontecendo agora, pertencem aos filhos dos homens, eles deveriam obrigatoriamente seguir a lei revelada. Se continuariam assim no futuro...só Deus sabia. Daí nasce uma oração ardente por nós mesmos! Que o Senhor nos ajude a cumprir a sua Lei hoje, e tenha misericórdia de nós no futuro. Que não sejamos como Pedro, que quando Jesus diz que eles se escandalizariam (o negariam), Pedro pulou e foi o primeiro a afirmar: "Ainda que todos se escandalizem, eu, jamais!...Ainda que seja necessário morrer contigo, de nenhum modo te negarei." (Marcos 14:29 e 31) e a seguir, Pedro o nega contundentemente. Que o Senhor tenha compaixão de nós, e não nos permita confiar em nosso próprio coração, com suas falsas promessas de paz! Que Ele nos mantenha fiéis hoje, e tenha misericórdia de nós no futuro, para que nunca sigamos após outros deuses!
           

5 comentários:

  1. Esse texto é a resposta para as perguntas de muitas igrejas e "crentes" de hoje em dia: Porque comigo? ou certas dúvidas: Deus não faria tamanha crueldade comigo.
    O texto deixa bem claro que é a ira de Deus sobre aqueles que vão "contra" Ele.Essas tragédias que acontecem por aí são provas da ira de Deus sobre aqueles que profanam a sua lei, dão as costas para elas.

    ResponderExcluir
  2. Deus não deixará de julgar os ímpios, nem mesmo quando pecarem por ignorância, pois pecado é pecado, e apesar das dificuldades e tentação, não há justificativa para pecarmos. Que Deus nos dê consciência de nossos pecados e que possamos além de aprender mais sobre ele, melhorarmos como crentes, para que não envergonhemos o nome do Senhor com nossas atitudes.

    ResponderExcluir
  3. Vemos nesse texto que jamais poderemos confiar nos nossos próprios pensamentos e segui-los. O nosso coração e a nossa mente deve estar sempre voltada para a palavra de Deus e os seus mandamentos. Que Deus tenha misericórdia de nós a fim de que cumpramos sempre a sua lei não seguindo o nosso próprio coração.

    ResponderExcluir
  4. Gabriel Benjamin6 de julho de 2011 14:02

    Os pensamentos humanos só nos levam a perdição, não podemos em hipótese alguma achar que podemos viver de acordo com o que queremos e nossos interesses, iremos cair certamente. Sem DEUS o homem não consegue andar em um caminho santo e pior que quando estamos em pecado como voce mesmo disse , ainda sim achamos que estamos fazendo o que é certo e isso só cava mais nosso buraco para a perdição, que possamos confiar em DEUS e não em nós.

    ResponderExcluir
  5. logo me lembrei da passagem de Romanos cap. 1: "Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; (...)"
    muito bem colocada essa observação final.
    nao devemos olhar pra esse texto e julgar essas pessoas dizendo: nunca faria tal coisa".
    por que é justamente por misericordio do Senhor que nao o fazemos!!! devemos ler esse texto e agradecer a Deus por nao estarmos nessas condicoes.

    ResponderExcluir